O que você está procurando?

Todos os anúncios

Total de Ofertas

27

BOLSONARO SEGUE INTERNADO EM SÃO PAULO

Política

Terça-Feira, 04 de Janeiro de 2022

O Hospital Vila Nova Star, onde Jair Bolsonaro (PL) está internado em São Paulo, descartou a necessidade de uma cirurgia e informou, nesta terça-feira (4), que a obstrução no intestino do presidente se desfez. Bolsonaro segue, contudo, sem previsão de alta.


"A evolução do paciente clínica e laboratorialmente segue satisfatória e será iniciada hoje uma dieta líquida", afirma o boletim divulgado na manhã de terça.





Bolsonaro foi internado com obstrução intestinal na madrugada de segunda-feira (3), interrompendo suas férias no litoral de Santa Catarina após ter sentido dores abdominais.


Nesta terça, o médico responsável pelo tratamento intestinal de Bolsonaro desde a facada sofrida em 2018, Antônio Luiz Macedo, descartou, por enquanto, a possibilidade de uma cirurgia, segundo revelou o jornal Folha de S.Paulo.


Bolsonaro respondeu ao tratamento conservador, o que afastou a possibilidade de intervenção neste momento. Na segunda, Macedo havia afirmado também à Folha de S.Paulo que provavelmente o presidente não passaria por cirurgia.


Ele começou a receber antibióticos e alimentação por meio de sonda nasogástrica, hidratação e reposição de glicose e eletrólitos (especialmente sódio e potássio) para que seu intestino voltasse a funcionar.


O boletim médico divulgado na noite de segunda-feira afirma que Bolsonaro "apresentou melhora clínica após a passagem da sonda nasogástrica, evoluindo sem febre ou dor abdominal".


A avaliação sobre a necessidade de cirurgia dependia da chegada de Macedo ao hospital. O médico estava de férias nas Bahamas e voltou para São Paulo na madrugada desta terça. Segundo o cirurgião, um avião providenciado pelo hospital fez seu transporte o Vila Nova Star não respondeu se repassará os custos à Presidência da República.


A Folha de S.Paulo fez um orçamento de voo fretado das Bahamas a São Paulo com duas empresas e obteve custos de R$ 340 mil e R$ 680 mil.


A equipe médica suspeita que a obstrução intestinal, com retenção de líquido na cavidade intestinal, seja resultado de má alimentação, não por excesso ou falta de atividades físicas.


A internação ocorre em meio ao desgaste do presidente após uma série de críticas por não ter interrompido as férias diante das enchentes na Bahia. Bolsonaro seguiu com passeios de turismo em Santa Catarina e não sobrevoou as áreas atingidas.


Nesta segunda, o presidente publicou foto na cama de hospital, e seus familiares e aliados passaram a resgatar a memória da facada, tema que mobiliza sua base eleitoral.


"É a segunda internação com os mesmos sintomas, como consequência da facada (6.set.18) e quatro grandes cirurgias", afirmou nas redes sociais, lembrando sua última internação e o histórico de tratamentos após o atentado.


Em 14 de julho de 2021, em meio ao desgaste do governo diante de acusações de propina na compra de vacinas reveladas pela CPI, Bolsonaro foi internado em São Paulo com obstrução no intestino quadro também ligado ao atentado durante a campanha presidencial de 2018. O presidente teve alta em 18 de julho e não passou por cirurgia.


Na época, a questão médica foi explorada por Bolsonaro e seus filhos nas redes ao resgatarem o atentado e acabou aumentando a popularidade digital do presidente, que estava em baixa em meio à crise na CPI e a protestos da oposição.


Desta vez, apoiadores, familiares e ministros de Bolsonaro também passaram a lembrar a tentativa de homicídio e pediram uma corrente de oração para o mandatário.


"Agradeço as orações e as mensagens de carinho recebidas pela internação do Jair decorrente do atentado que sofreu em 2018. Sequela que levaremos para o resto de nossas vidas", publicou a primeira-dama Michelle Bolsonaro.


Diversos ministros e aliados de Bolsonaro também publicaram mensagens nas redes sociais após a internação hospitalar. Alguns destacaram que ela é consequência do atentado a faca promovido por Adélio Bispo de Oliveira contra Bolsonaro na campanha presidencial.


"Graças a Deus meu pai passa bem! Cada vez que ele passa por isso é impossível não se indignar com a mentira de que Bolsonaro tem discurso de ódio, quando na verdade ele é a vítima do ódio de um ex-militante do PSOL e de mal-amados hipócritas desejando sua morte", escreveu o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho mais velho do presidente.


Adélio foi filiado ao PSOL de 2007 a 2014, mas nunca militou. Ele foi considerado doente mental pela Justiça e, por isso, inimputável.


A Polícia Federal concluiu, em duas investigações, que Adélio agiu sozinho, sem nenhuma evidência real de que tenha sido auxiliado por outras pessoas ou obedecido a um mandante. Em novembro, a PF reabriu a investigação, agora com foco em Zanone Manuel de Oliveira Júnior, um dos advogados de Adélio.


Outro filho do mandatário, o vereador pelo Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos) também destacou o atentado.


"Basta simples olhada nas redes sociais em que o presidente expõe novas consequências da tentativa de assassinato que sofreu!"


O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Eduardo Ramos, pediu nas redes sociais uma corrente de orações por Bolsonaro.


"Conclamo os amigos para uma corrente de oração pelo presidente da República Jair Bolsonaro. Ele está internado, em São Paulo, com obstrução intestinal, ainda como sequela da facada. Com a força de Deus e das nossas orações, prontamente ele estará de volta ao trabalho, que este ano será ainda mais duro".


Nos últimos dias, as cenas dos momentos de folga do presidente no litoral catarinense, enquanto a Bahia enfrentava uma crise gerada pelas fortes chuvas, provocaram constrangimento em aliados e membros do governo federal.


Parlamentares da oposição ainda intensificaram as críticas e cobraram do mandatário que suspendesse os dias de praia para liderar a ajuda diante da tragédia na Bahia.


Bolsonaro viajou a São Francisco do Sul (SC) na segunda-feira (27) para passar o Réveillon com a primeira-dama e a filha mais nova, Laura. Antes do Natal, ficou no Forte dos Andradas, em Guarujá (SP), entre os dias 17 e 23.


O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) retornou nesta segunda a Brasília após o período de ano novo. A previsão é que ele volte a despachar no gabinete da vice-presidência na próxima semana.


Segundo auxiliares, Bolsonaro deve permanecer no exercício da Presidência durante o tempo no hospital como ocorreu em ocasiões anteriores. Mourão só deve assumir interinamente a Presidência caso Bolsonaro precise se submeter a uma cirurgia que o deixe momentaneamente inconsciente.


"Julgo que [Bolsonaro] continuará a exercer suas funções normalmente", disse o vice, ao ser questionado sobre o assunto.


 


REPORTAGEM  FOLHA DE SÃO PAULO





Últimas Notícias

Edições Anteriores

JANEIRO-2022

O POPULAR